Coisas Azuis

Em 25 abr 2017


Coisas estranhas na Internet: a gente vê por aqui! Tirando, é claro, a seriedade que pede a questão da baleia cor de anil, reconheço que, na minha época, a coisa azul mais esquisita que havia era um tal de Gonzo, um personagem do The Muppet Show. Ok, pode me chamar de velha, Brasil!

Antes de mais nada: Baleia Azul NÃO!

Seu nariz era de gancho e sua pelagem, azul. Ninguém nunca soube ao certo que tipo de bicho era o Gonzo, mas ele se dizia abertamente esquisito, o que gerava toda uma questão existencial na sua história dentro do seriado dos Muppets. Ah, vai, você não conhece os Muppets? Amo!

Calma: que fique muito claro que eu só acompanhei as reprises nos anos 1980! Na década de 1970 eu nem era nascida! É sério!

E assim como o Gonzo, nas questões existenciais de um adolescente deve estar, provavelmente, a raiz do problema da tal baleia azul, aquele jogo bizarro que veio à tona nas últimas semanas, no qual adolescentes se cortam até a morte. Não gostei disso, não.

Não sou médica, não tenho filho, enfim, não tenho embasamento nenhum pra falar sobre o assunto do mamífero colorido (portanto não deveria nem estar escrevendo este post, confesso), mas o problema de fato é sério, embora seja de mal gosto, e virou alvo de análise em toda a rede.

Só queria saber o que se passa na cabeça de um ser que inventa uma coisa dessa! Aliás, diante das últimas notícias sobre corrupção e caixa 2, devo dizer que o que não falta é criatividade para o mal! Se tudo isso fosse usado para fazer o bem, como estaríamos mais evoluídos!

Quando eu era adolescente eu era confusa. Ok, continuo confusa de certa forma! Afinal, a gente nunca deixa de ser criança (clichê!). Mas apesar de sempre ter sido Louka, também sempre tive uma base familiar que me puxasse para o Planeta Terra! Portanto, pais, observem seus filhos! Por mais complicado que possa ser. E filhos: sejam mais espertos! Não caiam nessa: viver e ter saúde é bom demais!

Na minha época (too much “na minha época”!) até tinha uns jogos parecidos, mas não havia a Internet e, portanto, nada era tão disseminado. Não tinha live pra fazer “teste de bravura”, que de bravura não tem nada. É bem aquilo: a Internet está aí para o bem e para o mal: ao mesmo tempo que agilizamos a nossa vida e nos comunicamos de forma mais eficiente, vem um monte de porcaria junto. Fazer o quê, né?

Enfim, coisas azuis (traduzindo: invenções estranhas) sempre estarão por aí. Coisas absurdas e loucas também. Passar por elas da melhor forma possível é o caminho inevitável. E escolher (e ajudar a escolher) o lado bom da vida também. Fica a dica!

Afinal entre o Gonzo e os outros personagens dos Muppets, eu sempre gostei mais da Piggy… pronto, falei!

Créditos da imagem: <a href=”http://www.freepik.com/free-photos-vectors/background”>Background vector created by Milano83 – Freepik.com</a>

Deixe seu comentário