Dilemas da (super)mulher moderna!

Em 11 jul 2017


Dilemas? Quem nunca?! A mulher do século XXI está cheia deles! Equilibrar 20 pratos enquanto corre na esteira e agenda reunião pelo telefone? Normal, amiga! A gente só torce para que o chope da sexta-feira chegue rápido (vinho, no meu caso).

Carreira x vida pessoal, dieta x comer o que gosta, poupar dinheiro x comprar sapatos, armário cheio x nada para vestir, ter filhos x não ter filhos, casamento x morar junto, liderança x preconceito, TPM x matar alguém, idade x botox, etc.

São tantos os dilemas e tantas as dúvidas em como lidar com eles que a gente fica louca! E a cobrança que nunca acaba? Quer dizer, a autocobrança, né? Porque parece que tudo está só na nossa cabeça, como a bateria de uma escola de samba furiosa na avenida. Não está só na nossa cabeça, vai, mas boa parte está! Afinal, parece que a gente sempre tem que provar mais.

E a culpa? Culpa por tudo: se foca demais na carreira, acha que está deixando a vida pessoal de lado (e quem está próximo reclama); se deixa a carreira de lado, se pergunta como estaria a vida se tivesse seguido aquele caminho (afinal, toda escolha importa em alguma renúncia).

O novo filme da grande cineasta Laís Bodanzky, “Como os Nossos Pais”, que estreia no mês que vem, parece que vem tratar justamente deste aspecto cruel da supermulher do século XXI, que quer abraçar o mundo e as tarefas diárias como se nada mais importasse: “eu dou conta de tudo”! Sinceramente, eu acho até que a gente dá conta de tudo mesmo se a gente quiser, mas é que às vezes dá uma preguiça… Mas a gente levanta, sacode a poeira e toma um café sem açúcar pra começar o dia!

Será que ser multitarefas exige talento? Acho que não! A mulher do século XXI já nasceu com esse chip! A culpa, a cobrança e os dilemas fazem parte de nós, assim como o talento pra lidar com tudo que nos cerca.

Quer voltar ao século XIX, louca? Nunca! Prefiro interagir com os meus dilemas e ser dona do meu nariz! Prefiro minha liberdade de ir e vir! Prefiro escolher com quem dividir a vida, escolher se quero ter filhos ou cachorros, se quero viajar nas férias ou ficar lendo livros. Liberdade: isso não tem preço!

Dilemas sempre vão existir. A saída é ajeitá-los com cuidado na esteira enquanto você agenda a reunião e equilibra os pratos. E você, o que faz com os seus dilemas? Eu? Tomo vinho com eles!

Imagem: Freepik

Deixe seu comentário