Olimpíadas Parte 2: a missão!

Em 16 ago 2016

FOTO POST OLIMPIADAS 2 - BISCOITOSPara os que não desistem, with love.

Para o Biscoito Globo, with love.

Precisamos continuar falando sobre Olimpíadas. Sim, precisamos. Dando continuidade ao assunto que não quer calar já que, como eu disse no post da semana passada, é impossível ignorar, haja vista as condições do momento.

No Rio de Janeiro, mais parece que estamos em férias coletivas municipais, pois a sensação é de que todo mundo está trabalhando no modo avião: ligados, mas sem receber chamadas.

Após a polêmica envolvendo o Biscoito Globo, um ícone da identidade cultural carioca, friamente atacado pelo NY Times, sendo chamado de “sem graça” pelo jornal como se a comida americana fosse de extrema qualidade e variedade exemplar (ah, para!), nos encaminhamos para a última semana de jogos olímpicos, na incerteza de como será o amanhã na cidade maravilhosa, quando finalmente voltaremos a trabalhar no modo 4G.

Filmes que têm “parte 2: a missão” no nome geralmente acontecem porque o assunto não se esvaiu na primeira parte, porque as possibilidades ainda existem, porque ainda há curiosidade dos espectadores e força na estória (acho que eu viajei um pouco aqui, mas tudo bem, porque sou louka).

Voltando ao assunto, pois esta é a missão deste post, precisamos também falar de Diego Hypolito… E falar de Diego hoje é falar de superação. Superação é um assunto que nunca sai de moda, porque nos superamos a cada dia, seja no que for, mesmo que a superação seja levantar às 6h da manhã pra trabalhar depois de uma noite regada a álcool (acho que peguei pesado agora). Sobre Diego, lembre-se do que aconteceu com ele nas Olimpíadas de 2008, em Pequim, e nas de Londres, em 2012 (não é necessário descrever em detalhes). Muita gente não acreditava mais neste cara. E agora, em casa e aos 30 anos, ele dá um show e ganha medalha de prata na ginástica masculina! Palmas, por favor!

Na minha opinião, esta conquista serve para nos lembrar que, primeiro, nunca somos velhos demais pra conseguir alcançar nossos sonhos (sabemos que no esporte, muitas vezes, 30 anos é considerada uma idade avançada). Segundo, persistir é o verbo infinitivo da vida até que você consiga seus objetivos (se persistir, consegue… Fato!). E terceiro: os outros duvidam de você? Aperta o botão do dane-se e vai (a gente sabe que a palavra é outra, mas vou ser educada e trocar por “dane-se”)!

Diego, muito obrigada pelo que você fez neste domingo! Você me representa! Você nos representa! Você representa quem corre atrás do que quer e simplesmente vai. Inspiração é pouco depois desta prata!

As olimpíadas servem pra isso mesmo: inspirar gerações, formar novos atletas (na vida e no esporte) e criar esperança de que batalhando você consegue. Afinal, como já disse Michelle Obama recém plagiada: “you work hard…”. Conselho da Louka: foca na prata do Diego e no bronze do Arthur Nory e se joga! Foca no raio do Bolt e também se joga! Lembre do que Michelle falou e vai! Seja louka!

Biscoito Globo, não liga pra o que eles dizem: você é o máximo e dane-se!

Deixe seu comentário